As 10 cobras mais venenosas do Brasil.

Destacado

Bothrocophias microphthalmus. Jararaquinha/http://cobrasvenenosas.com

Bothrocophias microphthalmus. Jararaquinha/http://cobrasvenenosas.com

Tanto você quanto eu e a grande maioria, já ouvimos falar em diversos tipos de serpentes peçonhentas. Porém muita gente não tem nenhum interesse em saber do assunto e nem faz a menor ideia, quais são As 10 cobras mais venenosas do Brasil.

E talvez ainda nem se informou, que, mesmo morando na zona urbana não estão isentos de se deparar com uma serpente peçonhenta até dentro de suas casas.

A fauna brasileira atualmente é composta por 392 tipos de cobras. Neste total são encontradas 63 espécies de serpentes peçonhentas. Elas se dividem em duas famílias: Elapidae e Viperidae.   Classificá-las em mais ou menos venenosas não é uma tarefa simples e requer um amplo conhecimento das espécies e suas singularidades.

Por isto, comumente há diferenças entre as listas que estabelecem as 10 cobras mais venenosas do Brasil, como também as cobras mais venenosas do mundo. No entanto as 10 mais popularmente conhecidas como as mais peçonhentas no Brasil, são:

1- As cobras corais verdadeira.

cobra coral verdadeira. considerada a mais venenosa das cobras peçonhenta brasileiras.

http://cobrasvenenosas.com /Leptomicrurus Collaris, cobra coral verdadeira. considerada a mais peçonhenta das serpentes brasileiras.

A coral verdadeira é uma cobra de tamanho geralmente pequeno. Se caracteriza pelo colorido brilhante e vistoso. Possui costumes fossoriais, isto é vive sob a terra. As corais verdadeiras são cobras ovíparas. Possuem dentes pequenos e não retráteis (fixos), localizados na parte anterior da maxilar superior.

As características que as fazem as mais venenosas são: tipo de veneno neurotóxico que atinge o sistema nervoso causando dificuldades respiratórias e prejudicando o funcionamento do diafragma.

A vítima sente dormência no local da picada e pode morrer em poucas horas caso não seja socorrida rapidamente. Para fazer o tratamento é usado soro antielapídico intravenoso.

2- Cascavel (Crotalus durissus)

cascavel. considerado como a 2ª cobra + venenosa das cobras peçonhentas Brasileiras

http://cobrasvenenosas.com/cascavel. considerado como a 2ª cobra + venenosa das cobras peçonhentas Brasileiras.

Em seguida vem a Cascavel que é uma cobra cuja principal característica para reconhece-la é o chocalho, formado por muitos guizos na ponta da cauda. Há ainda quem diga que os gomos do seu chocalho, significa sua idade. o que é apenas um mito. Pois nada mais é do que suas trocas de pele.

Ela tem seu habitat em áreas abertas como campos e cerrados. Seu veneno causa visão dupla e é capaz de paralisar os músculos.

3- Surucucu pico-de-jaca (Lachesis muta)

surucucu pico de jaca. considerado como a 3ª cobra + venenosa das peçonhentas Brasileiras.

http://cobrasvenenosas.com / surucucu pico de jaca. considerado como a 3ª cobra + venenosa das peçonhentas Brasileiras.

A terceira cobra mais venenosa do Brasil é chamada de Surucucu pico-de-jaca. surucucu bico-de-jaca, surucutinga e mais algumas outras denominações a depender do estado Brasileiro. Na verdade esta cobra tem fama de ser a maior serpente venenosa de toda a América do Sul.  O veneno da Surucucu pico-de- jaca é neurotóxico e pode levar a vítima a sofrer queda de pressão arterial, dor local e edema.

Também surgem sintomas como redução da frequência cardíaca, Insuficiência renal, vômito, diarreia e necrose no local da picada. É um veneno perigoso e letal. Em casos de picada a vítima deve ser levada para socorro médico imediato.  Para o tratamento é usado o soro antilaquético/antibotrópico laquético.

4- Jararaca (Bothrops mattogrossensis)

Matogrossensis, Bothrops Neuwiedi. Jararaca pintada, Boca de Sapo. Entre alguns outros apelidos atribuídos a ela../http://cobrasvenenosas.com

http://cobrasvenenosas.com / Matogrossensis, Bothrops Neuwiedi. Jararaca pintada, Boca de Sapo. Entre alguns outros apelidos atribuídos a ela.

É uma das serpentes mais perigosa dentro das espécies da família Viperidae. No Brasil pode ser encontrada nos Estados de Rondônia, Pará, Amazonas, Mato Grosso, Baía entre outros estados Brasileiro. Seu veneno atua de forma proteolítica, causando diversos sintomas como por exemplo: náusea, vômitos, hematoma local, falência dos rins e hemorragia intracraniana. O soro usado para tratamento é o Botrópico.

5- Jararacuçu (Bothrops jararacuçu)

Jararacussuconsiderado o 4ª cobra + venenosas das peçonhentas Brasileiras

http://cobrasvenenosas.com/Jararacussu. considerada a 5ª cobra + venenosas das peçonhentas Brasileiras

A Jararacuçu é uma cobra bastante perigosa. Em uma só picada ela é capaz de injetar grande quantidade de toxina. O veneno inoculado tem o poder de causar grande dano como por exemplo: hemorragia, edema local, além de destruir os tecidos e causar serias complicações. Estas cobras são encontradas geralmente em florestas, por isto elas têm menos contato com as pessoas e a ocorrência de acidentes causados por elas é menor. mas nem por isso, deixa de ser de alta periculosidade.

6-  Caiçaca (Bothrops moojeni)

Caiçaca. considerada como a 6ª cobra + venenosa das peçonhentas Brasileiras

http://cobrasvenenosas.com/Caiçaca. considerada como a 6ª cobra + venenosa das peçonhentas Brasileiras

Esta cobra apresenta grande semelhança com a jararaca. Vive em regiões de todo o Brasil, com exceção da região Norte. Seu veneno é muito perigoso e com certeza letal, em caso de demora no atendimento.

A inoculação do veneno da caiçaca, causa necrose nos músculos, dores, inchaço local e hemorragia. Em caso de picada desta cobra é muito importante a aplicação do soro em menos de 4 horas.

7- Cobra Cotiara – (Bothrops fonsecai)

Cobra Cotiara. considerada como a 7ª cobra + venenosa das peçonhentas Brasileiras.

http://cobrasvenenosas.com / Cobra Cotiara. considerada como a 7ª cobra + venenosa das peçonhentas Brasileiras.

Esta cobra tem o tamanho relativamente pequeno considerando com outras cobras da sua família. Mede em torno de 90 centímetros. É muito peçonhenta. Ela habita a região Sudeste sendo encontrada no sul do Rio de Janeiro, sul de Minas e nordeste de São Paulo. Em caso de acidente é preciso que a vítima seja medicada com o soro em menos de 4 horas para evitar complicações mais graves.

Seu veneno é necrosante e hemorrágico. Em caso de acidentes com esta cobra, o soro utilizado deve ser o anti-botrópico.

8- Urutu cruzeiro (Bothrops Alternus)

urutu cruzeiro. é a 8ª cobra + venenosa das peçonhentas Brasileiras.

http://cobrasvenenosas.com/urutu cruzeiro. é a 8ª cobra + venenosa das peçonhentas Brasileiras.

Possui um veneno de alta toxicidade. É uma das cobras mais venenosas do Brasil. Possui presas solenóglifa. Isso já indica que a dentição da urutu é dotada de instrumentos especiais ( Dentes com orifício central com uma agulha de seringa para aplicar injeção) para injetar o veneno que é produzido pelas glândulas.

A expectativa de vida desta cobra gira em torno de 20 anos. É uma cobra agressiva quando se sente ameaçada. É dotada de grande rapidez no bote. Característica que impede que suas presas escapem. Pode chegar até a 1,50 m.

Seu veneno é necrosante, hemorrágico e coagulante.
O soro usado é o anti-botrópico. Essa  serpente se alimenta principalmente de pequenos roedores.

A reprodução da urutu é vivípara – não põe ovos, os filhotes já nascem prontos.
Em suas ninhadas nascem de 10 a 15 filhotes de cada vez. Tem hábito noturno.

As urutus vivem nos cerrados e banhados do sul do Brasil, do Paraguai, Uruguai e  Argentina.

9- jararaca-ilhoa (Bothrops insularis).

Jararaca ilhoa. considerada como a 9ª cobra + venenosa das peçonhentas Brasileiras.

http://cobrasvenenosas.com/Jararaca ilhoa. considerada como a 9ª cobra + venenosa das peçonhentas Brasileiras.

Esta cobra tem seu habitat no Litoral de São Paulo. É uma das mais perigosas cobras brasileiras. Ela é diferente de suas irmãs do continente. Ela se alimenta de pássaros, rãs, lacraias.                                                                                                                       Possui um veneno com toxina super potente, em torno de 5 vezes mais tóxica que as outras jararacas. Um fato interessante à respeito desta jararaca é a forma de aquisição da presa.

Ela possui uma cauda com a ponta branca, que a usa para atrair suas presas. Quando a ilhoa vai caçar ela levanta a cauda e balança. Os pássaros que nesse momento também devem estar batalhando suas refeições, pensam ser uma larva e se aproximam. E, com certeza servem de refeição para a ilhoa.

Para se ter uma deia: segundo relatos, não se sabe ainda ao certo se é mito ou fato. O veneno dessas cobras é cerca de cinco vezes mais potente do que o veneno de qualquer outra cobra no território brasileiro. sendo capaz inclusive de derreter a carne humana quase que instantaneamente quando aplicado em grandes quantidades. E mesmo com o tratamento rápido, as probabilidades da vítima ir a óbitos é de 97%.

O veneno dessa serpente pode causar insuficiência renal, necrose do tecido muscular, hemorragia cerebral e hemorragia intestinal.

jararaca de alcatrazes (Bothrops alcatraz)

Jararaca de alcatrazes. considerada com a 10ª cobra + venenosa entre as peçonhentas Brasileiras.

http://cobrasvenenosas.com/Jararaca de alcatrazes (bothrops alcatraz), considerada como a 10ª cobra + venenosa entre as peçonhentas Brasileiras.

Esta cobra foi encontrada pela primeira vez em uma ilha de nome Alcatrazes no litoral de São Paulo ao Norte. Em questão de veneno é semelhante à jararaca. Esta serpente está entre as cobras mais venenosas do Brasil.

As jararacas de alcatrazes são extremamente venenosas e perigosas à saúde humana. E, segundo outros pesquisadores, as mesmas, devido a degradação do seu habitat natural, estão correndo sérios riscos de extinção. A sua coloração e tamanho podem se alterar.


Já se encontra disponível o E-book básico relacionado ao Ofidismo. Caso seja do seu interesse em adquirir uma cópia.

Clique no link abaixo que será direcionado para a inscrição. Após preencher seus dados no formulário e clicar em, Clique aqui para confirmar sua inscrição. Vá na sua caixa de e-mail que já terá um link liberado para fazer Download.

Obs: Após confirmar sua inscrição. Se esse e-mail não estiver na caixa de entrada. Vá na caixa de SPAM ou LIXO. Abra o e-mail e clique em é confiável.

Um abraço! Batista

http://ajb-batista5261.omb10.com/cobrasvenenosas

Quer visitar outros Sites a partir daqui? Clique no link!  FAMÍLIA

Um grande Abraço! Eu sou Batista

A nova descoberta da Ciência

Atheris Ceratophora, Horned Viper.

Atheris Ceratophora, Horned Viper.

Horned viper, atheris matildae, A nova descoberta da Ciência.

A natureza que na verdade tem vontade própria e jamais será controlada pelo ser humano, está sempre nos surpreendendo. Quando você acha que já viu de tudo, surge  algo até então desconhecido numa nova descoberta da ciência.

O que será desta vez? Você pode imaginar? Leia o artigo e surpreenda-se.

A nova descoberta da ciência fez com que todos os olhos se voltassem para a história de um grupo de estudiosos e pesquisadores, protagonistas de uma pesquisa biológica ocorrida entre 2010/2011. Em uma exploração pelas montanhas do sul da Tanzânia, uma inusitada surpresa presenteou a equipe.

Em uma de suas excursões pela montanha surpreendentemente se depararam com uma víbora nunca antes vista. Logo reconheceram tratar-se de uma surpreendente descoberta científica.

A nova descoberta da Ciência: Uma espécie desconhecida

Encantados com o aspecto desconhecido e com as características sui generis da serpente, passaram a cuidar do novo e incomum réptil, analisando de perto suas particularidades. Um ponto que chamou-lhes a atenção foi o fato da cobra possuir dois chifres atrás dos olhos.

Atheris Ceratophora, Horned Viper.

Atheris Ceratophora, Horned Viper.

Os chifres pontiagudos, escamas negras e amarelas e olhos verdes com fenda vertical, revelam um aspecto ameaçador. Mas, não para a pequenina filha de um dos pesquisadores.

A menina de 7 anos de idade, filha do cientista britânico Tim Davenport, Diretor da Sociedade de Conservação da Vida Selvagem- WCS (Wildlife Conservation Society), passou a ajudar a zelar pelo réptil. Ficou fascinada pelo animal e passava seu tempo auxiliando ou assistindo os cientistas cuidarem dela.

A origem do nome e a descoberta.

Na ocasião, tanto era o zelo da menina que os cientistas passaram a chamar o réptil de “Viper da Matilda”   E o nome acabou ficando. A serpente foi denominada de Viper Mathilda Horned – (atheris matildae). Este acontecimento contribuiu para que a serpente fosse batizada com um nome menos temível que seu aspecto.

A nova cobra só foi classificada dois anos após sua descoberta. O achado foi publicado na Revista Centífica Zootaxa, na edição de dezembro de 2011, onde um estudo sobre o fato está descrito.

A equipe que encontrou Viper Mathilda Horned estava composta por 3 pessoas entre elas, o pai da menina Matilda. Trata-se do pesquisador e cientista britânico Tim Danvenport, que vive na Tanzânia há pelo menos 12 anos.

Temível, mas não agressiva

Tim Danvenport afirma que o medo que as pessoas têm das cobras, nem sempre tem razão de ser, já que a maioria delas é inofensiva e ajudam a controlar a população de roedores, mantendo em baixa seu índice.

Na verdade, as pessoas temem as cobras por puro desconhecimento. Ao avistarem um destes répteis logo se assustam, pois, não têm condições de identificá-las e perceber a periculosidade do animal. Neste caso, tomam a atitude mais acertada para os leigos:  correr. Fogem o mais rápido possível, colocando-se fora do alcance daquele animal.

Davenport também afirma que apesar de parecer feroz e ser provavelmente venenosa, Viper Mathilda Horned não é um animal agressivo. Ela vive em arbustos e possui cerca de 60 centímetros. Conforme o pesquisador a espécie pode crescer até mais de 65 centímetros.

Atheris Ceratophora, Horned Viper.

Atheris Ceratophora, Horned Viper.

Proteção para Viper Mathilda Horned.

Viper Mathilda Horned é uma víbora endêmica da região da Tanzânia. Isto quer dizer que trata-se de uma espécie que só existe nesta área ou seja, é natural dali e não é encontrada em outros locais.

O lugar exato onde a serpente foi encontrada não foi revelada. Este cuidado é para evitar que colecionadores e caçadores ilegais iniciem uma caçada à linhagem. Esta atitude que parece um zelo exagerado, tem fundamento.

Atualmente, boa parte do comércio ilegal é constituído pelo tráfico de répteis. Muitas pessoas excêntricas adotam estas espécies como bichinhos de estimação. A atração por eles é geralmente devido à sua cor e por meterem medo aos visitantes indesejados.

Esta caça indevida traz muitos danos para a natureza e interfere diretamente na preservação de espécies endêmicas, como esta da qual tratamos. É uma ação predatória que representa uma ameaça para a conservação das populações silvestres.

Preservação da espécie.

Por tudo isto, os pesquisadores criaram uma comunidade para reprodução em cativeiro. O objetivo é preservar a linhagem. Também aguardam que a categoria seja incluída pela União Internacional para a Conservação da Natureza, como espécie sob ameaça crítica de extinção.

A preocupação dos pesquisadores ocorre também porque o habitat da cobra já está bastante degradado e em declínio.  Em parte pela extensa exploração madeireira e produção de carvão vegetal.

 

A nova descoberta da Ciência é classificada.

Veja abaixo como ficou a classificação científica de

Classificação Científica de Viper Mathilda Horned -(atheris matildae)

Atheris Ceratophora, Horned Viper.

Atheris Ceratophora, Horned Viper.

Reino Animalia
Filo Chordata
Subfilo Vertebrados
Classe Reptilia
Ordem Squamata
Subordem Serpentes
Família Viperidae
Subfamília Viperinae
Gênero Atheris
Espécie A. Matildae
Nome binomial Atheris matildae

Esta nova descoberta da ciência é mais uma prova que a natureza é misteriosa e ainda guarda segredos surpreendentes. Cabe ao homem entender sua majestade e empregar todo respeito e cuidado ao explorá-la. Você também, assim como eu, deve ter ficado encantado com esta descoberta não é? Comente aqui sua opinião. O espaço agora é seu. E se achou bacana, compartilhe.

Desejo a todos uma boa leitura, um grande abraço! Batista

Acabei de escrever um E-book básico relacionado ao Ofidismo e já se encontra disponível. Caso seja do seu interesse em adquirir uma cópia.

Clique no link abaixo que será direcionado para a página. Após preencher seus dados no formulário e clicar em, Clique aqui para confirmar sua inscrição. Vá na sua caixa de e-mail que já terá um link liberado para fazer Download.

Obs: Caso o e-mail não esteja na caixa de entrada, vá na caixa de SPAM ou LIXO. Abra o e-mail e clique em é confiável.

Um abraço! Batista

http://ajb-batista5261.omb10.com/cobrasvenenosas

Qual a diferença entre cobras peçonhentas e não peçonhentas?

micrurus_lemniscatus, Cobra Coral Verdadeira.

http://cobrasvenenosas.com/micrurus_lemniscatus, Cobra Coral Verdadeira.

Algumas pessoas ou a grande maioria por não terem conhecimentos, estão sempre usando o termo incorreto com relação a venenosos e peçonhentos. Dizer que uma cobra peçonhenta é venenosa, é um bom exemplo desse erro cometido por muitos. Até porque, Venenoso é todo e qualquer animal que possua veneno.

E peçonhento é todo aquele animal que além de possuir o veneno, também possui o instrumento inoculador da peçonha. A Tarântula, O escorpião, entre outros animais. No Brasil, as serpentes dos gêneros Bothrops e Bothrocophias,  Crotalus, Lachesis e Micrurus,

O baiacu peixe encontrado no mar Brasileiro é venenoso porque possui glândula de veneno. Mas não são peçonhentos porque não possuem instrumento para inocular o seu veneno. A morte por envenenamento com peixe baiacu, somente acontece por ingestão da sua carne se não houver alguns cuidados ao remover suas vísceras.

http://cobrasvenenosas.com/ Baiacu, Peixe Venenoso.

http://cobrasvenenosas.com/ Baiacu, Peixe Venenoso.

Para saber qual a diferença entre cobras peçonhentas e não peçonhentas é preciso ter algum conhecimento a respeito de determinadas peculiaridades destes répteis.  Aprenda aqui a distinguir as características destes seres tão temidos.

As cobras peçonhentas são assim chamadas por possuírem a capacidade de inocular veneno através de suas presas.

orifício do dente de uma cobra venenosa

http://cobrasvenenosas.com/orifício do dente de uma cobra peçonhenta expelindo veneno.

Este veneno fica armazenado em glândulas localizadas na cabeça das cobras. São as bolsas de veneno. São injetados nas vítimas para sua defesa, quando se sentem ameaçadas ou com intenção de paralisá-las para que lhes sirvam de alimento.

As cobras não peçonhentas são aquelas que não possuem dentes inoculadores de veneno. Algumas delas carregam em si as glândulas contendo a toxina, mas não possuem dentes estruturados para injetar este veneno. Apesar de não serem consideradas perigosas, podem picar causando feridas e até mesmo infecção no local atingido.

Veja algumas diferenças entre cobras peçonhentas e não peçonhentas.

Fique cobra no assunto:

Cobra Peçonhenta Cobra não peçonhenta
Possui cabeça achatada. Formato triangular. Sendo a cabeça visivelmente destacada do corpo. Sua cabeça é arredondada.
Os olhos são pequenos e suas pupilas em fenda vertical. Possui entre os olhos e o nariz Fosseta Lacrimal ou Loreal. Seus olhos são grandes, com pupilas circulares. Não possuem Fosseta Lacrimal ou Loreal ( pequeno orifício entre narinas e olhos)
A cobra peçonhenta possui escamas alongadas com aspecto áspero.As escamas do corpo são iguais às da cabeça. Ela tem escamas achatadas e seu aspecto é liso e brilhante. Na parte de cima da cabeça as escamas sãos substituídas por placas.
Sua cauda é curta e afina bruscamente A cauda é longa e vai afinando gradualmente
A cobra peçonhenta tem hábitos noturnos, movimenta-se lentamente e ataca quando perseguida. Possuem hábitos diurnos, movimentam-se com rapidez e fogem quando perseguidas.
Sua forma de reprodução é ovovivíparo – isto é o embrião vai se desenvolver dentro do ovo, porém dentro do corpo da mãe. Sua forma de reprodução é ovípara – isto é o embrião se desenvolve no ovo, fora do corpo da mãe, em ambiente externo.

Se você quer aprender um jeito de não errar na hora de distinguir entre cobras peçonhentas e não peçonhentas saiba que isto não é fácil !

Você pode distinguir se uma cobra é ou não peçonhenta, estando a uma distância  que não ofereça perigo. Você pode tentar observar a presença ou não da fosseta Loreal ou Lacrimal

(orifício entre olhos e narinas). Somente as cobras peçonhentas possuem este orifício, Exceto a cobra coral verdadeira.

fosseta loreal da Bothrops jararaca.

http://cobrasvenenosas.com / fosseta loreal da Bothrops jararaca.

Mas preste atenção senão “a cobra vai fumar”!

  • Se a cobra em questão for a coral, saiba que… A coral verdadeira, apesar de peçonhenta e perigosíssima, não possui fosseta lacrimal ou Loreal.
  • O veneno das cobras peçonhentas é uma toxina letal, podendo causar a morte. O veneno é um composto tóxico que serve especialmente para imobilizar a vítima, lubrificar e iniciar o processo de digestão.
  • O veneno é injetado através dos dentes ou presas da cobra e por isto as cobras são classificadas de acordo com a dentição.
  • Algumas cobras são consideradas não peçonhentas por não possuírem dentes dotados de canais para a passagem de veneno.
    sucuri. cobra não peçonhenta

    http://cobrasvenenosas.com/sucuri. cobra não peçonhenta

    Outras por não possuírem veneno. Exemplo : sucuris e jiboa .

  • Algumas cobras possuem dentes grandes por onde o veneno pode escorrer, porém a inoculação fica dificultada devido a posição dos dentes na parte posterior da boca. São exemplos: a cobra de jardim e a falsa coral.
  • Algumas cobras peçonhentas possuem presas localizadas na parte anterior da boca. Estas presas possuem fendas profundas e longas por onde o veneno pode escorrer.  Ex: cobra Naja e cobra coral verdadeira.

Só para complementar…

A palavra cobra é usada para definir espécies de origem africana ou asiática que possuem veneno extremamente poderoso. São as Najas. O termo serpente é o mais correto para definir esses répteis rastejantes, sem patas e com o corpo coberto de escamas. No Brasil os termos são usados como sinônimos.

Cobras peçonhentas e não peçonhentas brasileiras quem são?

Cobras peçonhentas Cobras não peçonhentas
Jararaca, Cascavel, Jararacuçu, Surucucu, Coral verdadeira. Jibóia, Muçurana, Sucuri, Caninana, Coral falsa, Cobra-cipó, Cobra d’água.

Fonte: Instituto Vital Brasil

Instituto Butantã

Wikipédia

se você gostou desse Artigo ou achou Interessante, Curta ou Compartilhe, deixe seu Comentário.

Saiba mais: Acabei de escrever um E-book básico relacionado ao Ofidismo e já se encontra disponível. Caso seja do seu interesse em adquirir uma cópia.

Clique no link abaixo que será direcionado para a inscrição. Após preencher seus dados no formulário e clicar em, Clique aqui para confirmar sua inscrição. Vá na sua caixa de e-mail que já terá um link liberado para fazer Download.

Obs: Caso esse e-mail não esteja na caixa de entrada, vá na caixa de SPAM ou LIXO. Abra o e-mail e clique em é confiável.

Um abraço! Batista

http://ajb-batista5261.omb10.com/cobrasvenenosas

Assista o vídeo abaixo e fique + informado (a).

www.repteisdacaatinga.org

http://www.youtube.com/watch?v=izETHr4M5aY

Os venenos mais potentes do Brasil

 

Bothrops-atrox/jararaca.

http://cobrasvenenosas.com/Bothrops-atrox/jararaca.

Você e eu, e uma grande maioria, com certeza já ouviu falar em diversos tipos de cobras peçonhentas.

Mas não tenho a menor dúvida que poucos entendem alguma coisa desse assunto, e menos ainda, quais são os venenos mais potentes do Brasil e suas respectivas ações.

Se você também se enquadra entre essas pessoas que pouco sabe a respeito. Aproveite a chance de juntar mais esse conhecimento aos que você já possui e agregar mais valor a sua vida.

Os venenos mais potentes do Brasil, estão listados numa tabela a baixo, e as respectivas cobras peçonhentas brasileiras que os possuem.

Descubra como age cada um deles nos animais e em nosso corpo. E qual é sua função no metabolismo das cobras.

Você já imaginou o que passa uma pessoa vítima da peçonha de uma cobra? Já pensou em qual é a sensação? O medo de ver-se tão perto da morte? E a dor tomando conta do membro que foi atingido?

Talvez não. Pois quem sabe se você, assim como eu e muitas outras pessoas, faça parte do percentual de brasileiros que nunca pensou na possibilidade de ser picado por uma cobra.

Mas, mesmo que você ache isso impossível de acontecer, vale a pena aprender tudo que pudermos sobre esses misteriosos animais. Até porque nenhuma informação é vã. Todas que pudermos ter fazem sentido. Além de o conhecimento ainda ser a única coisa que não nos tiram.

Então, prepare-se para  darmos um passeio juntos no mundo do aprendizado e conhecer um pouco mais sobre os venenos mais potentes do Brasil, suas respectivas ações e as privilegiadas cobras venenosas por possuir tal peçonha.

Quer saber mais sobre elas?  Então vamos juntos dar um passeio no mundo dos conhecimentos ofídicos.

Para o início da conversa e ficarmos melhor informados sobre os venenos mais potentes do Brasil:

É preciso esclarecer que no território Brasileiro, há uma média de 63 espécies de cobras (serpentes) peçonhentas, conforme a última lista de répteis brasileiros de-2015.

Estas serpentes possuem a capacidade de inocular potentíssimas toxinas que deixam sequelas ou levam à morte. Saiba que os venenos são diferentes e para cada um deles existe um tipo de soro.

Conheça aqui os mais potentes, seus efeitos e os soros que lhes fazem frente. Os venenos mais potentes do Brasil,

São toxinas Inoculadas pelas cobras peçonhentas, com capacidade para matar ou provocar grandes danos ao organismo de um ser vivo. Mas sua função não é tirar vidas.

As substâncias produzidas nas glândulas venenosas tem o objetivo de auxiliar na digestão da presa. Isto significa que a produção de peçonha faz parte do metabolismo das cobras.

orifício do dente de uma cobra peçonhenta expelindo veneno.

http://cobrasvenenosas.com/orifício do dente de uma cobra peçonhenta expelindo veneno.

Esta substância que tanto mal nos causa se inoculada em nosso corpo, é fundamental para a sobrevivência das serpentes peçonhentas. Ela funciona como ajuda na caçada da vítima.

Em primeiro lugar a secreção inoculada tem por objetivo paralisar a presa. Este efeito paralisante é para que o alimento não fuja antes de ser digerido.

Desta forma, mesmo as cobras mais lentas têm sua refeição garantida.

Já que as cobras não mastigam, outra função do veneno é lubrificar o corpo da vítima para facilitar a digestão.

Por ter uma toxina tão poderosa, é que muitas vezes as pessoas picadas por cobras peçonhentas ficam com imensas e horríveis feridas no local.

O que acontece é que a toxina inicia a digestão e por isto degrada e decompõe os tecidos.

Características dos venenos mais potentes do Brasil.

 

A peçonha das serpentes é um poderoso composto tóxico. É uma substância constituída por enzimas e outras proteínas. Sua potência pode variar conforme a espécie, mas também existem variações dentro das mesmas espécies.

E podem depender também da idade do animal.

A peçonha é um liquido com características viscosas, tem cor esbranquiçada de um branco meio turvo ou é de cor amarelada.

Como mostrada na foto acima.

Ela fica armazenada em glândulas secretoras, em ambos os lados da cabeça, abaixo dos olhos e atrás destes. Trata-se de glândulas salivares modificadas para possibilitar a produção de toxinas.

Músculos compressores protegem estas glândulas que estão ligadas aos dentes por canais. Ao atacar a vítima, a cobra contrai a musculatura e o líquido peçonhento é eliminado pelos dentes inoculadores.

presas solenóglifas

http://cobrasvenenosas.com/presas solenóglifas.

 

 

Estes tipos de presas inoculadoras de peçonhas, são encontradas nas serpentes peçonhentas, das espécies Bothrops, Crotalus e Lachesis.

Os piores venenos do Brasil são divididos em algumas categorias conforme a ação que exercem no organismo dos seres vivos.

Sua nomenclatura revela o efeito que causam.

Os venenos mais potentes do Brasil, são os que estão classificados dentro das categorias abaixo:

Venenos Proteolíticos /Citotóxicos ou Necrotóxicos

 

A ação deste veneno lesiona e decompõe os tecidos.
Na substância estão presentes proteínas tóxicas que necrosam tecidos e músculos do corpo.O veneno atinge os membros provocando terríveis lesões no local afetado diretamente pela toxina.Provoca reação inflamatória aguda. A vítima sofre dores e edemas. Podem surgir bolhas e hemorragias.
As cobras que inoculam este tipo de veneno são: as jararacas e surucucus.

Lachesis Muta, surucucu pico-de-jaca.

http://cobrasvenenosas.com/Lachesis Muta, surucucu pico-de-jaca.

O soro desenvolvido para antídoto é o soro Antibotrópico.
Venenos Coagulantes
Este tipo de veneno também é bastante potente. Desfaz o equilíbrio sanguíneo do organismo. Ele tem poder coagulante e anticoagulante.

Age no corpo provocando a princípio a coagulação.

Nesta fase o fluxo de sangue é bloqueado e são formados coágulos. O oxigênio começa a chegar com dificuldade nos rins. Surgem incessantes hemorragias por várias partes do corpo.

 

A toxina coagulante está presente no veneno da cascavel e também na surucucu. A ação hemorrágica e coagulante fica por conta das jararacas.

Pupila em fenda Vertical, e fosseta loreal da Jararaca-da-mata (Bothrops jararaca).

http://cobrasvenenosas.com/Pupila em fenda Vertical, e fosseta loreal da Jararaca-da-mata (Bothrops jararaca).

Os soros desenvolvidos para este tipo de acidente ofídico são:

·         Antilaquético – contra picadas de surucucu

·         Anticrotálico –  contra picadas de cascavel

·         Anticrotálico-botrópico – contra acidentes envolvendo cascavéis e jararacas

·         Antibotrópico-laquético – contra picadas de jararacas e surucucus

 

 

Veneno Neurotóxico
Este veneno possui uma potente toxina que afeta o sistema nervoso e provoca paralisação muscular.

A ação desse veneno impede que os impulsos nervosos enviados pelo cérebro cheguem aos músculos, que ficam totalmente paralisados por não receberem nenhum sinal sináptico.

Além da paralisia surgem também os sintomas: visão dupla, falta de coordenação motora e quando a picada é de surucucu causa também hipotensão arterial, choque, diarreia, síndrome de excitação vagal e bradicardia.
Esta neurotoxina está presente no veneno da cascavel, da coral verdadeira e surucucu.

Micrurus frontalis, Cobra Coral Verdadeira.

http://cobrasvenenosas.com/Micrurus frontalis, Cobra Coral Verdadeira.

·         Para combater este veneno temos os soros:

·         Antielapídico – Quando o ataque foi por cobra coral.

·         Anticrotálico – Quando o acidente ofídico foi causado por cascavel.

·         Antilaquético – Quando o acidente ofídico foi por picada de surucucu.

 

Veneno Miotóxico
Afeta os músculos cardíacos e pode causar ataque do coração. Lesiona fibras musculares e provoca dores intensas nos músculos do corpo todo.
Toxina presente no veneno da cascavel.

cascavel (crtallus durissus ruruima).

http://cobrasvenenosas.com/cascavel (crtallus durissus ruruima).

Soro empregado para antídoto: Anticrotálico – contra veneno de cascavel.

 

Veneno Hemotóxico ou Hemolíticos
Este veneno tem o poder de destruir as hemácias, que são as células vermelhas do sangue. Ele afeta e destrói também as veias.  Além disso causa,falência dos rins. Também pode provocar insuficiência respiratória e parada do fluxo sanguíneo.
Toxina presente no veneno da cobra: Jararaca
Soro empregado para antídoto: O soro Antibotrópico atua contra picadas de jararacas.

 

Os venenos mais potentes do Brasil não estão em frascos, nem são encontrados em laboratórios químicos. São toxinas vivas que enchem as glândulas dos mais temíveis répteis – as cobras das espécies Micrurus, Bothrops, Lachesis, Crotalus.

Quer conhecê-las? Sabe quem são?

Espécies venenosas do Brasil

Gênero Cobras/Serpentes
Bothrocophias / Bothrops Jararacas e urutus
Crotalus Cascavel
Lachesis Surucucu
Micrurus Corais verdadeiras

 

E você? Conhece venenos mais potente no brasil que o das cobras peçonhentas? Compartilhe sua opinião.

faça uma pergunta ou deixe um comentário que responderei assim que puder.

E se você gostou desse artigo, curta compartilhe e deixe seu comentário.

Um grande abraço! Batista

 

 

A ILHA DA MORTE

jararaca ilhoa, bothrops insularis. (viperidae venenosa).

http://cobrasvenenosas.com/jararaca ilhoa, bothrops insularis. (viperidae venenosa).

A Ilha da Morte é a morada da jararaca Ilhoa. Conheça a história deste local.  Surpreenda-se com os casos de vida e de morte deste lugar.

Você já deve ter ouvido muitas histórias fantásticas, incríveis e assustadoras, não é? Mas, o que tenho agora para te contar também é incrível e assustador.  Porém com uma grande diferença.

Esta não é uma história de ficção. É fato real. Todos os detalhes que aqui se encontram são a mais pura e indiscutível verdade. Preparado? Então venha conhecer bem de perto a Ilha da Morte!

Ilha da Morte ou Queimada Grande – Onde fica?

Localizada em Itanhaém no litoral paulista, a Ilha da Queimada Grande foi apelidada por muitos como Ilha da Morte. É famosa mundialmente. Não pela sua paisagem ou por ser um local de visitação turística, mas pela sua ilustre moradora, a jararaca ilhoa.

Ela não está só. Muito ao contrário, vive cercada por milhares de companheiras da mesma espécie. Na ilha não há lugar para mamíferos. Estes répteis dominam o ambiente. São donas absolutas do pedaço. A Ilha da Queimada Grande é o habitat natural de milhares de cobras da espécie jararaca Ilhoa.

A Ilha da Morte e do Medo

Itanhaem_SP, Ilha da Queimada Grande e a ilustre moradora, a Jaraca Ilhoa (Bothropides insularis).

http://cobrasvenenosas.com/Itanhaem_SP, Ilha da Queimada Grande e a ilustre moradora, a Jaraca Ilhoa (Bothropides insularis).

A Ilha é uma encosta rochosa. Costão rochoso, formado por terreno acidentado e irregular. Não existe água potável e tudo o que é necessário à vida tem que ser trazido do continente. São 430.000 m2 de rochas.

O caminho é pouco transitável, repleto de mato, com trilhas íngremes.  O calor é intenso e as tempestades são constantes. Diferente de outras ilhas, aqui não existe nenhuma praia. Isto dificulta o desembarque dos que aqui vem.

Apenas a parte sul oferece alguma condição de acesso. Mesmo assim, todo cuidado é pouco, pois as pedras são revestidas por um limo verde e escorregadio.

Isto quer dizer que até para pisar o solo da ilha é preciso coragem. Ela é cercada por penhascos e rochas onde as ondas do mar se quebram com fúria. Diante da dificuldade de descer à ilha foi improvisado, com espigões de ferro, um atracadouro.

Aqui a presença humana é rara apesar da paisagem verde encantadora. O desembarque de turistas ou visitantes comuns é proibido por lei. E isto não acontece por acaso.

A presença de qualquer outra pessoa que não seja pesquisador, biólogo ou cientista, certificado pelo Ministério do Meio Ambiente, só ocorre mediante expressa autorização do Instituto, responsável pelo local. Mas, quem são os moradores desta ilha?

Jararaca Ilhoa –  habitante da Ilha da morte

A jararaca Ilhoa se estabeleceu aqui há milhares de anos. Ela é a principal moradora desde a era glacial que ocorreu entre 10 a 12 mil anos atrás.   Neste período de glaciação a região ainda não era uma ilha. Era apenas um morro ligado ao continente e na área habitavam serpentes da espécie Bothropoides jararaca (jararaca comum).

Nesta ocasião, o local se transformou em ilha devido a elevação no nível do oceano. As serpentes que aqui viviam ficaram ilhadas, sem ter o que caçar para comer. Mas foi rápida sua ambientação.

Ao invés de se extinguirem, adaptaram-se às dificuldades do novo meio. Desenvolveram a habilidade de subir em árvores. E passaram a alimentar – se das aves desprevenidas que passavam em seu caminho migratório. Foi o tanto que bastou para se reproduzirem e multiplicarem-se espantadoramente.

Hoje estima-se uma média de 2 a 3 mil cobras na ilha. Além da modificação alimentar elas modificaram seu comportamento e se diferenciaram da jararaca comum, que vive no continente. 

Jararaca.(Bothrops_Asper)

http://cobrasvenenosas.com/Jararaca.(Bothrops_Asper) o major do batalhão das peçonhentas.

Veja algumas diferenças que se estabeleceram:

Jararaca comum Jararaca Ilhoa
Vive no continente Só é encontrada na Ilha da Queimada Grande
Veneno letal Veneno 5 vezes mais potente do que de suas irmãs do continente.
Se alimenta de pequenos roedores, répteis, anfíbios. Quando filhote se alimenta de lesmas, lacraias, sapos. Depois de adulta se alimenta de aves.
Possui hábitos terrestres Adaptou-se à vida em árvores para caçar aves. No final de sua cauda tem uma pequena curvatura que permite que ela se enrole nos galhos.
É perigosa É perigosíssima seu veneno é capaz de matar um homem em

2 horas.

Aqui vivem outros seres. Alguns tão terríveis quanto as cobras. São formigas chamadas de “assassinas” e aranhas venenosas.

Por que se chama Ilha da Queimada Grande e porque foi apelidada de Ilha da Morte?

Alguns casos reais são relatados sobre a Ilha. Foi batizada pelo nome de Ilha da Queimada Grande, porque houve um tempo em que queriam fazer plantio. E começaram a preparar o terreno. Porém, as cobras atacavam sem cessar.

Resolveram então, atear fogo em uma grande porção de terreno com o objetivo de espantar as cobras. O fogo ergueu-se tão alto que de longe se avistava. Daí o nome Queimada Grande. Mas, as queimadas foram em vão. As cobras venceram a parada. Tiveram que desistir do cultivo da Ilha.

A partir daí outros casos foram surgindo. Muitos descreviam horrendos ataques com mortes. Um destes aconteceu após uma tempestade com um operador do farol que morava na ilha. O operador e sua família foram vítimas do ataque de numerosas cobras, que adentraram sua casa.

Morreram o homem, sua esposa e os 3 filhos. Os corpos foram encontrados pela casa. Em seus rostos perplexos percebia-se o pavor pelo qual passaram.  Hoje em dia o farol não é mais operado por pessoas. Foi totalmente automatizado. Sendo assim desnecessário que alguém permaneça na ilha o tempo todo.

E foi chamada: Ilha da Morte

Outro caso foi por ocasião do naufrágio do navio Tocantins, por volta de 1933. O navio foi a pique devido a uma tempestade. Os náufragos nadaram até a ilha. Subiram com dificuldades os costões. Sua esperança era encontrarem abrigo e alimento, e aguardar socorro.

Foram surpreendidos pelas terríveis anfitriãs – as jararacas Ilhoa. Dos doze que haviam escapado do mar, 4 foram picados e mortos pelas cobras. Mais 3 foram picados, mas conseguiram sobreviver. O episódio, apavorou a todos. Os jornais da época noticiaram o caso dando ao local o codinome de “Ilha da Morte”

Ilha da Morte

Itanhaem_SP. A Ilha de Queimada Grande possui uma grande quantidade de cobras, especialmente a (Bothrops insularis), e, segundo alguns cientistas, a cobra venenosa com a peconha mais potente do mundo.

Ilha da Morte – Mar de Vida

A ilha é surpreendente. Em torno do temível serpentário que é a parte terrestre, fica o mar muito azul. Quem mergulha em suas águas quase não acredita no que vê.

Abaixo da superfície na Ilha da Morte.Um maravilhoso cenário de vida marinha de beleza impressionante se avista. Uma imensidade de peixes, arraias e outros seres marinhos, nadam tranquilamente, compondo um paraíso sereno e belo.

A jararaca ilhoa é um réptil muito temido e com razão. Mas, também representa a vida na ilha. Seu veneno é 5 vezes mais letal que o das outras Jararacas.


Ela é “senhora” da Ilha da Queimada Grande, pois não tem predadores naturais. Além disso tem forte capacidade de sobrevivência. É capaz de ficar até 6 meses sem alimentar-se.

A Ilha da Morte é real. Existe e lá está com suas temíveis moradoras. À espera de quem se atrever a passar por cima da proibição e se aventurar. Você teria coragem de visitar este lugar?

Se você não for um Biólogo, herpetólogo, técnico de serpentário ou um Cientista. O melhor para sua própria segurança, é ficar dentro do Barco admirando os peixes nadarem ou a vegetação da Ilha.

Um grande abraço, Batista 

Como diferenciar os acidentes ofídicos?

Rio Amazonas

http://cobrasvenenosas.com/Rio Amazonas

A distinção de um acidente ofídico para o outro baseado somente no aspecto apresentado pelo paciente é uma tarefa impossível. Pois para identificar cada tipo de acidente, depende de vários fatores devido a grande diversidade de serpentes existentes e os sintomas apresentados por cada tipo de envenenamento.

Somente no Brasil, atualmente, existem 386 espécies de serpentes. Destas 61 espécie são peçonhentas distribuídas em duas famílias.

Os viperídeos: Compostos por 3 gêneros. Bothrops, Crotalus e Lachesis.  E, os elapídeos: Composto pelas micrurus. Cobras Corais Verdadeiras. E cada um desses acidente ofídico apresenta características diferentes até dentro do mesmo gênero.

Como diferenciar os acidentes ofídicos uns dos outros?

A princípio não existe distinção dos acidentes ofídicos sem uma minuciosa especulação. Existem os profissionais capacitados que, pelas suas experiências e baseados em alguns sintomas apresentados pelos pacientes acidentados, podem ter uma vaga noção de qual tipo de cobra deve ter sido a responsável pela picada e o envenenamento.

Porém, na verdade, o que lhes dão 100% certeza do tipo de acidente é a apresentação da serpente causadora. Afora isso, tem que haver muita informação do paciente e/ou seu acompanhante ao médico.

Em caso que não seja possível levar a cobra autora da picada: É extremamente importante que as informações dadas ao profissional da saúde sejam concisas. Pois disso pode depender a vida do (a) acidentado (a).

Os denominados acidentes botrópicos: São causados por dois tipos de serpentes pertencentes às famílias dos gêneros Bothrops e Bothrocophias. As serpentes do gêneros Bothrops ocorrem em todo Brasil.

Porém a Bothrocophia, no país, ocorrem apenas 1 espécie e, somente é encontrada na região amazônica. Esta serpente também apelidada de jararaca nariguda, é a grandes responsável por 90.5% dos acidentes ofídicos que ocorrem no estado amazonense, com letalidade de 0,3%.

Bothrocophias hyoprora, jararaca.

http://cobrasvenenosas.com/Bothrocophia hyoprora, jararaca nariguda.

As serpentes peçonhentas em geral, são conhecidas por seus apelidos e os diversos acidentes ofídicos que causam.

Ocorrem no Brasil, 25 Espécies do gênero Bothrops. Sendo que a maior serpente da espécie Bothrops é a jararacuçu da mata atlântica, floresta estacional do sul e sudeste. Podendo o seu comprimento chegar a 1,8 m. E suas presas inoculadoras de peçonha podem atingir 2,5cm ou mais.

bothrops Jararacussu

http://cobrasvenenosas.com/bothrops Jararacussu. Também conhecido como cabeça de patrona.

 

E o único tratamento eficaz nos casos de acidentes ofídicos, é a aplicação do soro. Os soros antiofídicos são produzidos a partir do sangue de cavalos imunizados com o veneno. Eles produzem  um anticorpo chamado gamaglobulina, obtido por meio de um processo de fracionamento químico e enzimático do plasma sanguíneo.

ATIVIDADES PRINCIPAIS DO VENENO E SINTOMAS DA VÍTIMA DE UM ACIDENTE BOTRÓPICO:

A ação do veneno das serpentes nas vítimas de acidentes ofídicos botrópicos são:

Proteolítica; atividade inflamatória aguda.

Coagulante;  Processo de natureza química, pelo qual o sangue se tornam cada vez mais espessos, até formar uma porção solidificada.

Hemorrágica; escoamento ou derramamento de sangue para fora dos vasos sanguíneos.

Ocorre sangramento no local da picada, inchaço no local da picada podendo evoluir por todo membro afetado. Hemorragias, sangramento em ferimentos recentes, equimose, abscesso, formação de bolhas e necrose.

Em acidentes graves podem ocorrer o prolongamento do tempo de coagulação sanguínea, e a vítima poderá falecer devido à insuficiência renal aguda.

A vítima também pode ter infecção secundária por bactérias que por si já  são encontradas na flora bucal da serpente. Esses sintomas também podem ter variações e nem todos se apresentarem devido a particularidades da vítima, quantidade de veneno inoculada, espécie de cobra causadora do acidente, entre outros fatores.

ACIDENTES CROTÁLICOS:

(crotalus durissus) cascavel. considerado como a 2ª cobra + venenosa das cobras peçonhentas Brasileiras

http://cobrasvenenosas.com/ (Crotalus durissus) cascavel.

 

As serpentes peçonhentas popularmente conhecidas como cascavéis, boicininga e maracambóia. Estão presentes nos cerrados do Brasil central,  nas regiões  áridas e semi-áridas do nordeste, nos campos e áreas abertas do sul, sudeste e norte.

E são responsáveis por cerca de, 7,7% dos  acidentes ofídicos no Brasil. Entre os grupos causadores de acidentes, é o gênero que apresenta a maior taxa de letalidade com 1,8%.

Na Amazônia, a cascavel está presente nas manchas de campos e cerrados. São cinco subespécies registradas para o Brasil. (Crotalus durissus cascavella, Crotallus durissus collilineatus, Crotalus durissus marajoenis, Crotalus durissus ruruima e Crotalus durissus terrificus). A cascavel, diferente de outras cobras venenosas.

Ao perceber a aproximação de uma pessoa ou animal maior que ela, esta serpente geralmente aciona sua alerta tocando o guizo ou chocalho, procurando anunciar sua presença. As cascavéis Podem atingir cerca de 1,6 m, de comprimento.

ATIVIDADES PRINCIPAIS DO VENENO DA CASCAVEL:

neurotóxica, miotóxica e coagulante.

A ação neurotóxica é produzida pela crotóxina: A crotóxina é uma neurotóxina de ação pré-sináptica, que atua nas terminações nervosas inibindo a liberação de acetilcolina. Esta inibição é o principal responsável pelo bloqueio neuromuscular, do qual decorrem as paralisias motoras apresentadas pelos pacientes.

A ação miotóxica: Produz lesões de fibras musculares esqueléticas, com liberação de enzimas e mioglobina para o sangue, que são posteriormente excretadas pela urina. Em estudos anteriores a mioglobina excretada na urina era apontada como hemoglobina, atribuindo-se ao veneno uma atividade hemolítica. No entanto estudos mais recentes não demonstraram a ocorrência de hemólise nos acidentes humanos.

A ação Coagulante decorre de atividade do tipo trombina que converte o fibrinogênio diretamente em fibrina. O consumo do fibrinogênio pode levar à incoagulabilidade sanguínea. E, geralmente as manifestações hemorrágicas quando presentes são discretas.

Os sintomas apresentados numa vítima de picada de uma cascavel são: Edema discreto ou ausente, dor discreta ou ausente, parestesia, ptose palpebral, diplopia, visão turva, urina avermelhada ou marrom, Insuficiência respiratória aguda em casos graves.

Ocorre o aumento de tempo de coagulação sanguínea. A vítima pode falecer por insuficiência renal aguda. Porém, as infecções secundárias por bactérias são pouco frequentes.

Salienta-se que, nas famílias das cascavéis (Crotalus durissus ruruima), existam animais com veneno de coloração branca (ação neurotóxica, miotóxica e coagulante). E outros amarelo (ação proteolítica e hemorrágica).

ACIDENTE LAQUÉTICO:

Surucucu-Bico-de-Jaca (Lachesis muta).

(lachesis muta) surucucu pico de jaca. considerado como a 3ª cobra + venenosa das peçonhentas Brasileiras.

http://cobrasvenenosas.com /(lachesis muta) surucucu pico de jaca.

As surucucu-bico-de-jaca (Lachesis muta), também conhecida como surucucu-pico-de-jaca, surucutinga, surucucu-apaga-fogo, surucucu e bico-de-jaca.  São as grandes responsáveis pelos acidentes ofídicos laquetícos.

Esta espécie ocorre na Amazônia e na Mata Atlântica, da Paraíba até o norte do Rio de Janeiro. São as maiores das espécies de cobras venenosas da América do Sul. Podem chegar a 3,5 metros de comprimento ou mais, e estas serpentes quando ficam em posição de ataque podem formar duas volta em forma de “S” com o corpo.

Podendo assim o bote atingir uma distância maior do que 50% do comprimento dessa serpente. Ou seja, aproximadamente 2m. No entanto, não são agressivas. Na verdade: Existe mais maldade na imaginação e no modo de agir das pessoas do que no comportamento da serpente.

Uma extração num desses animais, é produzido uma média de 200mg de veneno liofilizado.

Esta espécie é responsável por 1,4% dos acidentes ofídicos. Entretanto, devido às subnotificações esta porcentagem pode ser maior. Pois na Amazônia, ou em outros locais de difícil acesso aos serviços de saúde, muitos casos não são registrados.

A letalidade registrada para o acidente laquético é de 0,9%. Esses números faz a surucucu ser, cerca de três vezes mais letal que as jararacas e 50% menos letal que a cascavel. Que apresenta 1,8% de óbitos nos acidentes ofídicos que se envolvem.

ATIVIDADES PRINCIPAIS DO VENENO: proteolítica, hemorrágica, coagulante e neurotóxica.

Os sintomas dos acidentes laquetícos são semelhantes aos acidentes Botrópicos causados pelas jararacas. Com dor, edema e equimose que pode progredir para todo membro afetado. Formação de bolhas, gengivorragia e hematúria.

Os acidentes laquetícos, diferem dos acidentes botrópicos devido ao quadro neurotóxico, que são: bradicardia, hipotensão arterial, sudorese, vômitos, náuseas, cólicas abdominais e diarreia. A vítima poderá falecer por insuficiência renal aguda.

Em caso de um acidente envolvendo a surucucu, e a serpente causadora do acidente não seja capturada e levada até o hospital. Diferenciar o envenenamento laquético do botrópico torna-se mais difícil o diagnóstico devido as semelhança entre os sintomas.

Entretanto, os sintomas relacionados com a ativação do sistema nervoso autônomo parassimpático (exclusivos do acidente laquético), seriam evidentes e precoces para diagnosticar e realizar o tratamento específico

ACIDENTE ELAPÍDICO:

(Micrurus surinamensis) Cobra Coral Verdadeira.

(Micrurus surinamensis) Cobra Coral Verdadeira.

http://cobrasvenenosas.com/(Micrurus surinamensis) Cobra Coral Verdadeira.

As micrurus spp, e Leptomicrurus spp, popularmente conhecidas por cobras-corais. São 32 espécies, e atribuídos a elas os acidentes ofídicos denominados elápidicos. Atualmente são conhecidas apenas 3 espécies de Leptomicrurus, e ocorrem exclusivamente na Amazônia.

Enquanto as micrurus ssp 29 espécies, e são encontradas em todo o Brasil. Mas apesar de serem as mais temidas em peçonha no território Brasileiro, a porcentagem de acidentes ofídicos os quais elas são responsáveis é menos de 0,5%.

ATIVIDADE DO VENENO DAS COBRAS CORAIS VERDADEIRAS:

O veneno das cobras corais verdadeiras, tem atividade neurotóxica.
A vítima da picada de uma cobra coral verdadeira sente dor local, parestesia, ptose palpebral, diplopia, sialorréia (abundância de salivação), dificuldade de deglutição e mastigação, dispnéia.

Casos graves podem evoluir para insuficiência respiratória. Em caso do não atendimento em tempo hábil, o paciente poderá vir a falecer em pouco tempo.

TRATAMENTO DAS VÍTIMAS:

A aplicação do soro o mais rápido possível com o devido atendimento em um centro especializado. É o tratamento recomendável. Condutas  paralelas também são necessárias para se evitar complicações, sequelas e reações adversas.

Para cada gênero de serpente, existe um soro específico:

Soro Antibotrópico: Gêneros Bothrops e Bothrocophias. jararacas.

Soro Anticrotálico: Gênero Crotalus. cascavéis.

Soro Antibotrópicolaquético
: Gênero Lachesis. Surucucu Pico de Jaca.


Soro antielapídico
: Gêneros Micrurus e Leptomicrurus. Cobras Corais Verdadeiras.

Existe também o soro Antibotrópico-crotálico para ser usado em regiões onde ocorrem serpentes dos gêneros Bothrops e Crotalus. Em casos da não presença do gênero causador do acidente e existir dúvidas com relação ao animal, esse soro deverá ser usado.

Visto que existe uma grande diversidade de serpentes peçonhentas com sintomas de envenenamento semelhantes, é impossível mesmo tendo bastante experiência em ofidismo, diferenciar um envenenamento do outro sem a presença da serpente causadora, as riquezas de detalhes e muita informação do paciente.

Se você gostou desse artigo vá até o topo dessa página, clique em home e em categoria, no lado direito tem outros artigos relacionados! Tenho certeza que você não vai se decepcionar.

Você cansou do peso excedente que carrega no corpo e não sabe como perde-lo em pouco tempo?

Você precisa fazer uma Dieta para Emagrecer com saúde! 
 
Tem diabetes? não se preocupe, isso não será problema! Receba orientações de quem entende do assunto.

Tem uma vida agitada e não tem tempo disponível para ir à academia além do cansaço diário? exercite-se em casa !

Por mais que você faça não tem um bom relacionamento com quem você mais ama? Procure orientações de quem tem perícia nesse assunto!

Você quer montar um negócio mais não tem ideia de como começar? Converse com que pode te ensinar !

Quer visitar outros Sites a partir daqui? Além de outros existentes posso te indicar:

DIETA           FAMÍLIA

Um grande Abraço! Batista
_Picon.rlf_12.117-88

 

 

Se você tiver interesse em receber atualizações do site cobras venenosas em seu e-mail, Preencha o formulário abaixo e confirme seu interesse clicando emSEND.

Se pretende obter informações do site DIETA ou do site FAMÍLIA? clique no link acima de cor verde.

Seu Nome

Seu Email

Sua Mensagem

Enviando ...Enviando ...

Como distinguir a cobra coral verdadeira da falsa?

 

florestaTropical e cachoeira

http://cobrasvenenosas.com/florestaTropical, córrego e cachoeira.

A cobra coral é uma serpente de tamanho pequeno, que possui uma característica muito forte que é seu colorido vivo e brilhante. Estas cobras guardam dados intrigantes que é o fato de existirem dois tipos delas: a peçonhenta (Micrurus) e a não peçonhenta (Erythrolamprus, Oxyrhopus e Anilius).

cobra coral verdadeira X cobra coral falsa

http://cobrasvenenosas.com / cobra coral verdadeira X cobra coral falsa

Isso muitas vezes gera dúvidas, polemica entre as pessoas e confusão.

Mas ter a curiosidade de reconhecê-las é válido, porém com cautela. Ou seja, acompanhado (a) de alguém que conheça o assunto.

Até porque, a cobra coral verdadeira e a falsa são muito semelhantes, inclusive nas cores. A distinção 100%. Entre elas, só é possível por meio de minuciosa observação de suas dentição ou pelos desenhos em forma de anéis presentes em sua pele.

Mas essas averiguações, Principalmente das presas, só podem ser feitas por peritos. Pois tem que pegar o animal para examina-las, e eles já são preparados.

E se tratando de pessoas leigas nesse assunto. Não é uma tarefa fácil identifica-las, e nem é aconselhável o contato com o animal para não haver acidentes. Que em muitas vezes são irreversíveis resultando em morte.

Segundo a Wikipédia as corais não picam suas vítimas, elas mordem e através da mordida injetam o veneno.

Como fazer a distinção de uma cobra coral verdadeira da falsa?

As cobras corais verdadeiras ou falsas, são bastante semelhantes. E por isso é muito difícil diferenciá-las. Especialmente porque a cobra coral verdadeira não possui como as outras cobras venenosas, a fosseta loreal que distingue as peçonhentas das não peçonhentas. Como mostrada nessa foto a baixo.

fosseta loreal. Órgão termorreceptor de calor da Bothrops jararaca da seca. Orifício localizado entre o olho e a narina.

fosseta loreal da Bothrops jararaca.

http://cobrasvenenosas.com / fosseta loreal. Órgão termorreceptor de calor da Bothrops jararaca da seca. Orifício localizado entre o olho e a narina.

3 características são geralmente usadas para distinguir a cobra coral verdadeira da falsa:

  • A cobra coral verdadeira é peçonhenta, seu veneno é poderosíssimo e pode causar a morte de uma pessoa adulta em pouco tempo. Algumas espécies de cobras corais falsas não são peçonhentas, pois não são capazes de inocular veneno.Porém, existem as cobras corais falsas que possuem dentes inoculadores e, se manuseadas de forma inadequadas podem causar sério acidente.
  • Outra característica que difere a coral verdadeira da falsa: Mas essa é uma diferença que ninguém quer experimentar.Até porque, a cobra não mostra suas presas para ser identificada, e ninguém quer ser mordido (a) para descobrir se a cobra coral é verdadeira ou falsa. Exceto para os especialistas experientes, pelos seus convívios diários com esses animais sabem distinguir a coral verdadeira da falsa baseado em alguns detalhes:

    Para os iniciantes ou uma pessoa leiga notar essa diferença é somente por meio de averiguação das presas da serpente. E, esse manuseio só deve ser feito por pessoas preparadas para evitar acidente.

    Sequência de anéis:

    No passado: acreditava-se que, outra forma rápida e simples de diferenciar a cobra coral verdadeira da falsa, era observando a sequencia de anéis que cada uma delas apresenta no corpo.

    Em muitos relatos: Alguns especialistas afirmavam que, as cores vermelhas nas cobras corais peçonhentas não se juntavam às pretas. Essas duas cores eram separadas por uma terceira, que seria a cor branca ou amarela.

    Versão que nos tempos atuais não se confirmam 100% verdadeiras. Existem as cobras corais que possuem a sequência de anéis vermelhos e pretos ligados e são falsas (não peçonhentas). Porém, também existem as exceções.

    Exemplo: estas duas cobras corais a seguir ambas são venenosas, e às cores vermelha e preta se unem.

    (Micrurus Frontalis) Cobra Coral Verdadeira.

    Micrurus frontalis, Cobra Coral Verdadeira.

    http://cobrasvenenosas.com/Micrurus frontalis, Cobra Coral Verdadeira.

     

     

    (Micrurus Lemniscatus) Cobra Coral Verdadeira.

    micrurus_lemniscatus, Cobra Coral Verdadeira.

    http://cobrasvenenosas.com/micrurus_lemniscatus, Cobra Coral Verdadeira.

     

    E esses são apenas alguns exemplos de muitos outros. Hoje com a grande diversidade de cobras corais existentes: até os especialistas com pouca experiência tem dificuldade para identifica-las, como também sabem que, onde terão 100% de certeza se uma determinada serpente coral é verdadeira ou falsa, é na sua dentição.

    Se PROTERÓGLIFA, OPISTÓGLIFA ou ÁGLIFA.

    Neste caso as corais verdadeiras são dotadas de dentição PROTERÓGLIFA. Isto significa que: seus dentes são pequenos e fortes, não retráteis (fixos) e localizam-se na parte anterior da maxilar superior.

    Já algumas falsas cobras corais, possuem dentições ÁGLIFAS. Não  possuem instrumentos inoculadores de veneno. Portanto, não oferecem perigo de envenenamento.

    Existem também às falsas cobras corais que possuem dentições OPISTÓGLIFAS. Isso significa que seus dentes são pequenos e fortes, não retráteis (fixos) e se localizam na parte posterior da maxilar superior.

    Suas presas são caniculadas e capazes de inocular veneno se forem manipuladas por pessoas leigas e/ou descuidadas.

    Ela possui entre as cores vermelha e preta, uma fina faixa em forma de anel na cor amarela ou na cor branca a depender do gênero.

    Enquanto a cobra Coral falsa possui uma sequência de cores em que o vermelho fica junto ao preto. Versão anterior que hoje, não é 100% segura. Entre outras características que diferem a cobra coral verdadeira da falsa.

    A cobra coral verdadeira, tem tamanho maior que a falsa. Na cabeça possuem escamas igualmente no seu corpo. A cauda é + curta e afina bruscamente. Tem olhos pequenos com pupila em fenda vertical. E quando se sente acuada se enrola para sua defesa. Pois as cobras corais não dão botes.

    a cobra coral falsa. tem tamanho menor, tem placas na cabeça ao invés da presença de escamas, a cauda é longa e se afina gradativamente, tem Olhos grandes e pupilas circulares e quando se sente ameaçada evita o confronto e foge.

    Essas são algumas das características que diferem a cobra corar verdadeira da cobra coral falsa.

    Mas ainda é comprovado que, onde se tem 100% de certeza se uma cobra coral é verdadeira ou falsa é na sua dentição. E, se você não é um Biólogo, cientista, herpetólogo, técnico de serpentário ou um profundo conhecedor dos répteis, deixe essas averiguações para serem feitas por um especialista.

    E, evite que sua curiosidade de descoberta transforme-se num grave acidente. Que muitas vezes são irreparáveis, levando o (a) acidentado (a) a morte.

    Falsa Coral, Oxyrhopus guibei. Dotada de dentição opístoglifa.

    Falsa Coral. Oxyrhopus guibei

    http://cobrasvenenosas.com/Falsa Coral. Oxyrhopus guibei

    Dentição- Esta é a única forma de identificação onde se tem 100% certeza se a cobra coral é ou não venenosa.

Neste caso as corais verdadeiras são dotadas de dentição PROTERÓGLIFA. Isto significa que: seus dentes são pequenos e fortes, não retráteis (fixos) e se localizam na parte da frente do maxilar superior.

É justamente esta característica que faz com que ao invés de picar suas vítimas, ela as morda deixando o veneno escorrer pela incisão.

dentição de cobras venenosas ou não venenosas.

http://cobrasvenenosas.com/dentição de cobras venenosas ou não venenosas.

 

As falsas corais, porém têm uma dentição conhecida como ÁGLIFAS OU OPISTÓGLIFA – Neste caso suas presas localizam-se na parte traseira do maxilar posterior, não apresentando grande perigo.

Ditado popular para distinguir a cobra coral verdadeira da falsa.

Um ditado popular ensina através de pequena rima a diferenciar a coral falsa da verdadeira:

Vermelho com amarelo perto, fique esperto. Ditado popular 100% Certo.

Vermelho com preto ligado, pode ficar sossegado Ditado popular 100% Errado. Vermelho com preto ligado, tenha cuidados dobrados.

No entanto se você for mesmo esperto, não confie neste ditado, já que existe uma grande diversidade destas cobras, com mais semelhanças do que diferenças.

Só de cobras corais, existem no mundo aproximadamente 800 espécies. No Brasil, somente cobras corais verdadeiras, existe uma média de TRINTA E DUAS espécies de Micrurus catalogadas. O ditado popular não pode portanto ser levado muito a sério.

As cores da dúvida

Vemos portanto que a diferenciação destas cobras pela observação das cores, não é uma forma eficaz de distinção. Um ponto relevante neste sentido é que as corais verdadeiras não possuem um mesmo padrão de cores.

Entre as catalogadas várias delas – possuem a sequência vermelho com preto, fato que derruba inclusive a afirmação do versinho: Vermelho com preto ligado, pode ficar sossegado”

A análise dos dentes talvez seja a forma mais eficaz de se diferenciar a coral falsa da verdadeira.

Fique esperto

Um alerta porém deve ser feito, visto que não é possível uma diferenciação rápida e imediata, sem análise mais profunda, e considerando que os métodos existentes para isto são todos passíveis de falhas:

  • -Ao avistar uma cobra com as características de uma cobra coral, o melhor meio de prevenção é afastar-se o mais rápido que puder e se possível alertar autoridades competentes sobre a presença do animal. Caso seja área urbana e de acesso das pessoas. Ligue para o número 193, comunique ao corpo de Bombeiros.
  • Esta medida preventiva pode evitar acidentes Elapídicos ( causado por coral verdadeira), que é capaz de matar um homem por insuficiência respiratória em pouco menos de 2 horas.

O veneno da cobra coral verdadeira.

O veneno da cobra coral é neurotóxico. É um veneno de baixo peso molecular que, portanto se espalha rapidamente pelo corpo.   Afeta o sistema nervoso e mobiliza o diafragma causando insuficiência respiratória e morte.

se você gostou ou achou esse artigo Interessante, deixe seu comentário, curta ou compartilhe.

Leia mais sobre as corais verdadeiras ou falsas em Acidentes Elápidicos, num post nesse mesmo site ou em:

http://www.herpetofauna.com.br/Corais.htm

se você gostou desse artigo ou achou interessante não deixe de curtir, compartilhar e fazer seu comentário. Se preferir vá até o topo dessa página em categoria, que lá tem mais artigos relacionados a esse mesmo assunto.

Você cansou do peso excedente que carrega no corpo e não sabe como perde-lo?

Precisa fazer uma Dieta para Emagrecer com saúde! 
 
Tem diabetes? não se preocupe, isso não será problema!

Não tem tempo disponível para ir à academia além do cansaço? 

:Você não tem um bom relacionamento com quem você mais ama?

Você quer montar um negócio mais não tem ideia como fazer?

Quer visitar outros Sites a partir daqui?         DIETA           FAMÍLIA

Um grande Abraço! Eu sou Batista
meu computador 185

 Caso você tenha interesse em receber atualizações desse site em seu e-mail, Preencha o formulário abaixo e confirme seu interesse clicando em SEND.

Seu Nome: (required)
Seu Email (required)

Seu Mensagem
  Enviar

 

Porque ter noções de primeiros socorros?

Rio-Amazonas

http://cobrasvenenosas.com/Rio-Amazonas

Ter as noções para prestar um socorro é de extrema e fundamental importância, seja em caso de acidente ofídico ou de outra natureza. E saber identificar uma cobra venenosa e quais medidas adotar caso tenha que socorrer alguém que sofreu um acidente ofídico, são conhecimentos básicos porém a grande maioria deveria ter.

Mas apesar de esses conhecimentos não serem restritos a médicos, biólogos, herpetologistas, enfermeiros, guardas florestais, Bombeiros, técnico de serpentários, entre outros estudiosos do assunto. Somente algumas pessoas que fizeram um curso particular de primeiros socorros possuem.

Exceto os citados acima, e mais alguns. No Brasil, poucas gente tem noção de como socorrer alguém que sofreu um acidente de alguma natureza. E com os acidentes ofídicos também não é diferente.

Porque ter noções de primeiros socorros?

É fato comprovado que em todo país, ainda acontecem entre 28 e 30.000 acidentes ofídicos por ano, com uma taxa letal registrada entre 0,4% e 0.6% desse total. Isso equivale a: 112 a 120. Ou 168 a 180 óbitos registrados anualmente por acidentes ofídicos.

Registro este que causa discórdia nos números de mortes divulgadas. E, esses dados epidemiológicos apresentados talvez não correspondam com a realidade.

Para um Biólogo, professor e especialista em ofidismo, com ampla experiência com os répteis. Devido às sub-notificações, o número de mortes divulgadas por acidentes ofídicos no Brasil, ainda é bem menor que o ocorrido. Em sua opinião:  estas giram em torno de 300 óbitos por ano.

Isso sem contar as pessoas que não morrem, porém tem algumas parte do corpo amputada em consequência desses acidentes. O que me leva a crer que, no Brasil, os acidentes ofídicos que resultam em óbitos e não são registrados, ocorrem com pessoas que estão distantes dos centros de atendimentos e tem dificuldades para chegar até ele ou podem ser também por falta de notificações das autoridades de saúde.

E, diante desse impasse nas informações, não se sabe ao certo o número exato de mortes por acidentes ofídicos no país.

Como o acesso a estes conhecimentos é somente por meio de cursos particulares. O único meio viável, gratuito e legal, para que a grande maioria tenha acesso a esses e outros aprendizados básicos. Seria o (MEC) ministério da educação e cultura, fazer a inclusão de alguma matéria que abordasse assuntos de primeiros socorros no calendário escolar.

Sala de Aula vazia

http://cobrasvenenosas.com/

Sem dúvidas além de médicos e outros especialistas em áreas ligada a medicina, pouca gente sabe prestar os primeiros socorros a alguém que sofreu um acidente. Seja ofídico ou de outra natureza. E com certeza, muitas dessas pessoas que sofreram um acidente ofídico e não foram a óbito, mas perderam algum membro do corpo por amputação:

Talvez nesses ocorridos deva-se ao fato de no momento do acidente, o (a) acidentado (a) se encontrar sozinho (a) e/ou por não ter recebido um atendimento adequado por falta de preparo dos demais presentes.

E diante da carência de conhecimento das pessoas nesses assuntos: Seria de extrema e fundamental importância o ensino de técnicas de primeiros socorros em salas de aulas. Quais os procedimentos básicos adotados pela medicina em caso de um socorro imediato!

Já no caso de um acidente ofídico: Quais as diversas reações causadas pela ação do veneno, e como agir em caso ter necessidade de prestar um socorro enquanto não remove o (a) acidentado (a) para o atendimento especializado.

A cobra sendo ela venenosa é um réptil muito perigoso. E, a depender da sua espécie, podem matar uma pessoa adulta em duas horas ou menos. Por isso é muito importante prevenir-se e tomar muito cuidado, principalmente, se for entrar no habitat natural desses animais. Até por que, nem sempre estão visíveis aos nossos olhos. Além de serem vistas e, sem dúvidas são, um dos seres mais temidos do reino animal.

Por isso merecem muito respeito, exigem preparos especiais de quem fazem os seus manuseios e alguns conhecimentos básicos para prestar um socorro caso seja necessário em algum momento.

Mas analisando o lado positivo: As cobras venenosas, além de representarem perigo para as pessoas descuidadas e os animais domésticos, serem responsáveis por grande número de acidentes ofídicos muitas vezes acompanhados de óbitos pelo mundo, e vistas como de alta periculosidade por muita gente.

As serpentes venenosas, também são excelentes aliadas da medicina e contribuem bastante para os profissionais salvarem vidas.

Pois além de vacina e os soros antiofídicos que são fabricados a partir do veneno de algumas cobras peçonhentas. Existem uma boa quantidade de medicamento e produtos de beleza, fabricados a partir do veneno das serpentes.

Exemplo do Captopril. Remédio para hipertensos (pressão alta). O Ancrod. Remédio para câncer. O ultra Lux. Remédio para derrame cerebral.  A indústria de cosméticos agrega composto do veneno de cobra, a outros produtos para fabricar creme para eliminar rugas.

Todos esses medicamentos e produtos de beleza são fabricados a partir do veneno de algumas cobras. E sem contar com a cola para fins cirúrgicos, que entre os seus componentes, contém moléculas do veneno da cascavel, e de jararacas.

Daí então a importância de se preservar as espécies, respeitando-as, e mantendo distância das mesmas e de seus habitat, para evitar acidentes que muitas vezes são irreversíveis.

Qual tipo de socorro prestar a alguém picado por uma cobra venenosa?

As cobras peçonhentas possuem veneno de alta toxina e pode levar à morte em pouco tempo. Em caso de uma picada é preciso que os primeiros socorros sejam imediato e prestados de forma eficiente, pois disso pode depender a vida do (a) acidentado (a).

No Brasil, atualmente, existem aproximadamente 386 espécies de cobras. Destas, 15,55%. Cerca de 60 espécies são venenosas, divididas em quatro grupos. Bothrops, crotallus, lachesis e micrurus. E, são extremamente venenosas. Entre as mais peçonhentas, está principalmente, a cobra coral verdadeira. Que atualmente conta somente no Brasil, com nada menos que 32 espécies diferentes.

(Micrurus Frontalis) cobra coral verdadeira.

Micrurus frontalis

http://cobrasvenenosas.com/Micrurus frontalis

 Devido aos números elevados de acidentes ofídicos ocorridos muitas vezes seguidas de mortes. As nossas exposições a esses animais em passeios ou serviços pela mata e até nas zonas urbanas, e o despreparos de muitos em prestar um primeiro socorro. Seria de extrema importância que o ministério da educação e cultura, Fizesse a inclusão de uma matéria que abordasse assuntos de primeiros socorros no calendário escolar.

Por que ter conhecimentos em primeiros socorros?

Um exemplo: Acidentes acontecem de todos os tipos, a todo momento em qualquer lugar. E, quando vamos acampar numa região serrana, florestal, perto de rios, lagos, região montanhosa, ou até em serviço no habitat desses animais. Nem sempre temos a nossa disposição algum desses especialistas citados como:  médico, um soldado treinado do corpo de Bombeiros, um agente florestal ou outro especialista qualquer Para nos acompanhar e socorrer em caso de um acidente.

Exceto, se houver algum componente no grupo que tenha conhecimentos básicos ou perícia no assunto, que possa nos socorrer em caso de um acidente ofídico ou de outra natureza. Por isso, à importância de se ter conhecimentos de primeiros socorros.

Sem contar que em alguns estados no Brasil, atualmente, existem escolas ativas com obras inacabadas e muito entulho nas áreas de trânsito dos alunos. Alunos tendo aulas em baixo de árvores, outras escolas deterioradas, ou abandonadas em áreas urbanas com muito mato ao redor aguardado a boa vontade do poder público.

E, é do conhecimento da maioria que esses locais como: entulhos, lixos, galhos de árvores, tronco de árvore caído, matos, folhas secas, etc. Estes são alguns dos lugares preferidos para esconderijos ou moradia de algumas cobras venenosas. Que são atraídas pela abundância de alimentos como: sapos, lagartos, ratos, outras cobras, etc.

Na verdade, o tratamento realmente eficaz em caso de picada de uma cobra venenosa, é a aplicação do soro antiofídico e este precisa ser aplicado o mais rapidamente possível, entre 3 a 6 horas após o acidente e por pessoas habilitadas. Mas um primeiro socorro ministrado por uma pessoa capacitada pode ajudar salvar uma vida.

Tipos de cobras – Sintomas – reação do corpo.

(micrurus-nigrocinctus) Cobra Coral verdadeira.

Micrurus nigrocinctus

http://cobrasvenenosas.com/Micrurus nigrocinctus

 

Este post é parte do conteúdo de um mini-ebook contendo aproximadamente dez mil palavras, e muita informação sobre cobras venenosas.

Caso você tenha interesse em ler o restante das informações contidas. Preencha o formulário de contato logo abaixo e confirme sua inscrição. 

Assim que for confirmada terá acesso ao link para baixar o ebook inteiramente grátis.

VEJA AS CAPAS ORIGINAIS DA FRENTE E TRASEIRA LOGO ABAIXO: E, acesse nesses links. 

 Capa da Frente do ebook Peçonhentas Brasileiras. 1ª..pdf

Capa do Fundo do Ebook Peçonhentas Brasileiras. 2ª.pdf.

Your Name (required)

Your Email (required)

Your Message

Um Grande abraço!

atenciosamente

Batista

capa original da frente, peçonhentas brasileiras

http://cobrasvenenosas.com/capa original da frente do ebook peçonhentas brasileiras

 

capa original do fundo do ebook peçonhentas brasileiras

http://cobrasvenenosas.com/capa original traseira do ebook peçonhentas brasileiras

 

 

se você gostou desse artigo ou achou interessante não deixe de curtir, compartilhar e fazer seu comentário. Se preferir vá até o topo dessa página em categoria, que lá tem mais artigos relacionados a esse mesmo assunto.

Você cansou do peso excedente que carrega no corpo e não sabe como perde-lo?

Precisa fazer uma Dieta para Emagrecer com saúde! 
 
Tem diabetes? não se preocupe, isso não será problema!

Não tem tempo disponível para ir à academia além do cansaço?

Existem métodos de emagrecimento com atividade física moderada e podem ser praticados em casa!

:Você não tem um bom relacionamento com quem você mais ama?

Você quer montar um negócio mais não tem ideia como fazer?

Quer visitar outros Sites a partir daqui?         DIETA           FAMÍLIA

Caso você tenha interesse em receber atualizações desse site em seu e-mail, Preencha o formulário abaixo e confirme seu interesse clicando em SEND.

Um grande Abraço! Eu sou Batista

Seu Nome:

SeuEmail:

Sua Mensagem:
Enviando ...Enviando ...

 

Acidente Ofídico Laquético

Lachesis Muta, surucucu pico-de-jaca.

http://cobrasvenenosas.com/Lachesis Muta, surucucu pico-de-jaca.

surucucu-pico-de-jaca. (Lachesis muta)

As surucucu-pico-de-jaca, também conhecida como surucucu-bico-de-jaca, surucutinga e surucucu-apaga-fogo. São as grandes responsáveis pelos acidentes ofídicos laquéticos.

Esta espécie ocorre na Amazônia e na Mata Atlântica, da Paraíba até o norte do Rio de Janeiro. As surucucus, são as maiores das espécies de cobras venenosas da América do Sul. Podem chegar acima dos 4 metros de comprimento.

O bote desta serpente pode atingir uma distância maior que 50% do seu comprimento. Ou seja, aproximadamente 3m.

As surucucus possuem presas solenóglifas que podem ter o tamanho de 2.5 cm ou mais.

dentição de cobras venenosas ou não venenosas.

http://cobrasvenenosas.com/dentição de cobras venenosas ou não venenosas.

No entanto, estudos comprovaram que estas cobras não são agressivas.

E na verdade: Às vezes existe mais maldade na imaginação e no  comportamento das pessoas do que no modo de agir da serpente. Numa extração com um desses animais, é produzido o equivalente a 200 mg de veneno liofilizado.

E são atribuídos a esta serpente 1,4% dos acidentes ofídicos no país. Entretanto, devido às sub-notificações existentes com pessoas de locais distantes e de difícil acesso aos serviços de saúde, esta porcentagem divulgada pode ser ainda maior. Pois na Amazônia, muitos casos de acidentes envolvendo esse animal não são notificados.

A letalidade registrada para o acidente laquético é de 0,9%. Esses números faz a surucucu ser cerca de três vezes mais letal que as jararacas e 50% menor que as cascavéis, que apresenta 1,8% de óbitos nos acidentes ofídicos que se envolvem.

Atividade Principais do Veneno e Sintomas das Vítimas de Acidentes Laquéticos.

proteolítica, hemorrágica, coagulante e neurotóxica.

Os sintomas dos acidentes laquéticos são semelhantes aos acidentes ofídicos causados pelas jararacas (Botrópicos). Com dor, edema e equimose que pode progredir para todo membro afetado. Formação de bolhas, gengivorragia e hematúria.
Os acidentes laquéticos, diferem dos acidentes botrópicos devido ao quadro neurotóxico, que não são apresentados nos acidentes os quais as jararacas se envolvem.

Já os sintomas dos acidentes ofídicos laquéticos são: bradicardia, hipotensão arterial, sudorese, vômitos, náuseas, cólicas abdominais e diarreia. A vítima poderá falecer por insuficiência renal aguda.

Em caso de um acidente envolvendo a surucucu, e a serpente causadora do acidente não seja capturada e levada até o hospital. É também de extrema importância que as informações fornecidas pelo paciente e/ou seu acompanhante ao profissional que vai executar o serviço, não sejam confusas. E a pessoa responsável pelo atendimento seja experiente, e acostumada a lidar com casos desse tipo.

Pois os sintomas relacionados com a ativação do sistema nervoso autônomo parassimpático, exclusivos dos acidentes ofídicos laquéticos seriam evidentes e precoces para diagnosticar e realizar o tratamento específico.

Pois diferenciar o envenenamento laquético do botrópico torna-se mais difícil devido as semelhança entre os sintomas apresentados, induzindo Inclusive o profissional a erros.

Se você gostou desse artigo vá até o topo dessa página, clique em home e em categoria, no lado direito tem outros artigos relacionados! Tenho certeza que você não vai se decepcionar.

Você cansou do peso excedente que carrega no corpo e não sabe como perde-lo em pouco tempo?

Você precisa fazer uma Dieta para Emagrecer com saúde! 
 
Tem diabetes? não se preocupe, isso não será problema! Receba orientações de quem entende do assunto.

Tem uma vida agitada e não tem tempo disponível para ir à academia além do cansaço diário? exercite-se em casa !

Por mais que você faça não tem um bom relacionamento com quem você mais ama? Procure orientações de quem tem perícia nesse assunto!

Você quer montar um negócio mais não tem ideia de como começar? Converse com que pode te ensinar !

Quer visitar outros Sites a partir daqui? Além de outros existentes posso te indicar:

DIETA           FAMÍLIA

Caso você tenha interesse em receber atualizações do site cobras venenosas em seu e-mail? Preencha o formulário abaixo e confirme seu interesse clicando emSEND.

Se pretende obter informações do site DIETA ou do site FAMÍLIA, clique no link acima de cor verde.

Um grande Abraço! Eu sou Batista
_Picon.rlf_12.117-88

 

Seu Nome

Seu Email

Sua Mensagem

Enviando ...

Acidentes Ofídicos Botrópicos

Jararaca.(Bothrops_Asper)

http://cobrasvenenosas.com/Jararaca.(Bothrops_Asper) o major do batalhão das peçonhentas.


As jararacas (Bothrops-Asper), são considerada por muitos especialistas como as campeã dos acidentes ofídicos botrópicos.

Denominados botrópicos, Crotálicos, Laquéticos e Elapídicos. Esses acidentes ofídicos são causados por serpentes pertencentes às famílias dos gêneros Bothrops e Bothrocophias, crotalus, lachesis e micrurus.  No entanto, seus nomes científicos não são nem um pouco popular entre as pessoas, e dificilmente mencionados ou apenas usados por especialistas em palestras e/ou em suas publicações.

Esses animais são em geral conhecidos publicamente por seus diversos apelidos. E são eles: jararaca-pintada, jararaca verdadeira ou boca de sapo. (Bothrops neuwiedi), caiçaca (Bothrops atrox, Bothrops moojeni), Jararacussu (Bothrops jararacuçu), cobra cotiara (Bothrops cotiara), urutu-cruzeiro (Bothrops alternatus), jararaca-bicuda (Bothrocophias hyoprora), jararaca-verde, bico-de-papagaio ou papagaia (Bothrops bilineatus) etc.

Todos esses gêneros apresentados são compostos por cobras extremamente venenosas. E entre as mais peçonhentas das serpentes Brasileiras, estão principalmente as cobras corais verdadeiras. E, a depender da sua espécie podem ser encontradas em qualquer estado ou local. Nem mesmo dentro das nossas casas estamos isentos de encontra-las.

Micrurus filiformis, Cobra Coral Verdadeira.

Micrurus filiformis, Cobra Coral Verdadeira.

http://cobrasvenenosas.com/Micrurus filiformis, Cobra Coral Verdadeira.

 

Ocorre em todo território nacional, 25 Espécies do gênero Bothrops. Enquanto que a Bothrocophias apenas 1 espécie, e somente é encontrada na Amazônia. E são atribuídos a elas: O equivalente a 90,5% dos acidentes ofídicos que ocorrem no estado amazonense, com letalidade registrada de 0,3%.

Algumas espécies de jararacas. Como: A Bothrops atrox, Bothrops neuwiedi e Bothrops moojeni. Quando ainda são jovens apresentam a porção final da cauda clara, desprovida da presença de escamas, são apelidadas de jararaquinha-do-rabo-branco. E mais temidas que as jararacas adultas, pois ainda não sabem controlar a quantidade de venenos que injetam em suas vítimas.

Porém das serpentes conhecidas da espécie Bothrops, a maior é a jararacuçu da mata atlântica, floresta estacional do sul e sudeste. Que  pode o seu comprimento medir 1,8 m. E suas presas inoculadoras de peçonha podem atingir 2,5cm.

Jararacussu. (Bothrops Jararacuçu)

bothrops jararacussu

http://cobrasvenenosas.com/Bothrops Jararacussu

Numa extração com a jararacussu podem ser obtido 1.670mg de veneno líquido e transforma-lo em (6,7ml) de veneno liofilizado.

O Soro Antiofídico Liofilizado é uma solução purificada e liofilizada de imunoglobulinas específicas, obtidas de soro de equídeos (CAVALOS) hiper-imunizados com veneno de serpentes.

O soro é purificado por digestão péptica, concentrado, titulado, frente ao veneno e adicionado uma certa porcentagem de fenol como preservativo. Cada mililitro do soro neutraliza 1,0 ou mais mg de veneno, a depender do tipo de soro e da espécie da serpente.

O soro é produzido a partir do sangue de cavalos imunizados com o veneno. Os animais (cavalos) produzem um anticorpo chamado gamaglobulina, obtido através de um processo de fracionamento químico e enzimático do plasma sanguíneo.

Atividade Principais do Veneno e Sintomas das Vítimas de Acidentes Ofídicos Botrópicos.

A ação do veneno nas vítimas de acidentes ofídicos botrópicos. São: Proteolítica; atividade inflamatória aguda.

Coagulante; Processo de natureza química, pelo qual o sangue torna-se cada vez mais espessos, até formar uma porção solidificada.

Hemorrágica; escoamento ou derramamento de sangue para fora dos vasos sanguíneos. Ocorre sangramento no local da picada, inchaço no local da picada podendo evoluir por todo membro afetado.

Hemorragias, sangramento em ferimentos recentes, equimose, abscesso, formação de bolhas e necrose. Em acidentes graves podem ocorrer o prolongamento do tempo de coagulação sanguínea, e a vítima poderá falecer devido à insuficiência renal aguda.

A vítima também pode ter infecção secundária por bactérias que por si já são encontradas na flora bucal da serpente. Esses sintomas também podem ter variações e nem todos se apresentarem devido a particularidades da vítima, quantidade de veneno inoculada, espécie de cobra causadora do acidente, entre outros fatores.

Se você gostou desse artigo vá até o topo dessa página, clique em home e em categoria, no lado direito tem outros artigos relacionados! Tenho certeza que você não vai se decepcionar.

 

Você cansou do peso excedente que carrega no corpo e não sabe como perde-lo em pouco tempo?

Você precisa fazer uma Dieta para Emagrecer com saúde! 
 
Tem diabetes? não se preocupe, isso não será problema! Receba orientações de quem entende do assunto.

Tem uma vida agitada e não tem tempo disponível para ir à academia além do cansaço diário? exercite-se em casa !

Por mais que você faça não tem um bom relacionamento com quem você mais ama? Procure orientações de quem tem perícia nesse assunto!

Você quer montar um negócio mais não tem ideia de como começar? Converse com que pode te ensinar !

Quer visitar outros Sites a partir daqui? Além de outros existentes posso te indicar:

DIETA           FAMÍLIA

Caso você tenha interesse em receber atualizações do site cobras venenosas em seu e-mail? Preencha o formulário abaixo e confirme seu interesse clicando em SEND.

Se pretende obter informações do site DIETA ou do site FAMÍLIA, clique no link acima de cor verde.

Um grande Abraço! Eu sou Batista
_Picon.rlf_12.117-88

 

Your Name (required)

Your Email (required)

Your Message

Acidentes Ofídicos Crotálicos

cascavel (crtallus durissus ruruima).

http://cobrasvenenosas.com/cascavel (crtallus durissus ruruima).

Cascavel. (Crotalus durissus ruruima)

Os acidentes Ofídicos Crotálicos, popularmente conhecidos por picadas de cascavel, são os que tem o maior índice de letalidade no país. Conhecidas popularmente como cascavel, boicininga e maracambóia.

As serpentes peçonhentas do gênero crotalus, estão presentes nos cerrados do Brasil central, nas regiões áridas e semi-áridas do nordeste, nos campos e áreas abertas do sul, sudeste e norte. E são responsáveis por 7,7%, dos acidentes ofídicos em todo território Brasileiro.

Entre os grupos causadores de acidentes, é o gênero que apresenta a maior taxa de letalidade com 1,8%. Na Amazônia, a cascavel está presente nas manchas de campos e cerrados. Atualmente são cinco subespécies registradas para o Brasil. (Crotalus durissus cascavella, Crotallus durissus collilineatus, Crotalus durissus marajoenis, Crotalus durissus ruruima e Crotalus durissus terrificus).

As cascavéis Podem atingir 1,6 m, de comprimento. E diferente de muita gente falsa, apesar de ser uma serpente peçonhenta é verdadeira. As cascavéis possuem um chocalho na ponta da cauda, que ao perceber a aproximação de uma pessoa ou animal, esta serpente aciona sua alerta tocando o guizo ou chocalho, procurando anunciar sua presença.

(crotalus durissus) cascavel. considerado como a 2ª cobra + venenosa das cobras peçonhentas Brasileiras

http://cobrasvenenosas.com/ (Crotalus durissus) cascavel. 

Atividade Principais do Veneno e Sintomas das Vítimas de Acidentes ofídicos Crotálicos.

neurotóxica, miotóxica e coagulante.

A ação neurotóxica é produzida pela crotóxina: A crotóxina é uma neurotóxina de ação pré-sináptica, que atua nas terminações nervosas inibindo a liberação de acetilcolina. Esta inibição é o principal responsável pelo bloqueio neuromuscular, do qual decorrem as paralisias motoras apresentadas pelas vítimas das picadas dessas serpentes.

A ação miotóxica produz lesões de fibras musculares esqueléticas, com liberação de enzimas e mioglobina para o sangue, que são posteriormente excretadas pela urina.

Em estudos anteriores a mioglobina excretada na urina era apontada como hemoglobina, atribuindo-se ao veneno uma atividade hemolítica. No entanto estudos mais recentes não demonstraram a ocorrência de hemólise nos acidentes ofídicos com humanos.

A ação Coagulante decorre de atividade do tipo trombina que converte o fibrinogênio diretamente em fibrina. O consumo do fibrinogênio pode levar à incoagulabilidade sanguínea. E, geralmente as manifestações hemorrágicas quando presentes são discretas.

Os sintomas apresentados nas vítimas de acidentes ofídicos crotálicos são: Edema discreto ou ausente, dor discreta ou ausente, parestesia, ptose palpebral, diplopia, visão turva, urina avermelhada ou marrom. Insuficiência respiratória aguda em casos graves. Ocorre o aumento de tempo de coagulação sanguínea, e a vítima pode falecer por insuficiência renal aguda.

porém as infecções secundárias por bactérias nos acidentes ofídicos crotálicos são pouco frequentes.
Suspeita-se que, nas famílias das cascavéis (Crotalus durissus ruruima), existam animais com veneno de coloração branca (ação neurotóxica, miotóxica e coagulante). Outro amarelo (ação proteolítica e hemorrágica).